Tráfego pago: tudo o que você precisa saber!

Tempo de leitura: 31 minutos

Em suma, as duas fontes principais de tráfego são: tráfego pago e tráfego orgânico. Ambos possuem benefícios e desvantagens. Mas hoje, quero lhe ajudar a entender mais sobre o tráfego pago.

Assim sendo, para ajudar você a entender mais sobre o tráfego pago, eu preparei o artigo de hoje sobre o assunto. Ficou interessado em saber mais? Então acompanhe comigo agora mesmo!

O que é tráfego pago?

Em suma, tráfego pago é todo o tráfego obtido graças à publicidade que estamos dispostos a pagar. Ou seja, só há tráfego, se houver um pagamento por isso.

Existem 6 tipos de tráfego pago:

  • Exibição de publicidade.
  • Publicidade em mídia social.
  • Marketing de mecanismo de busca (SEM).
  • Publicidade nativa.
  • Publicidade em vídeo.
  • E-mail marketing

Agora vou explicar a você as diferenças de cada um. Abaixo, você encontrará todas as redes de publicidade que lhe darão a oportunidade de começar no tráfego pago.

1. Exibição de publicidade (publicidade gráfica)

A exibição de publicidade é a forma mais comum de publicidade online, aquela que exibe banners visuais entre o conteúdo que você está visualizando ou lendo. São banners publicitários de diferentes tamanhos que podem variar nas seguintes formas:

  • Imagens estáticas.
  • Texto.
  • Banners flutuantes.
  • Backgrounds.
  • Anúncios pop-up.
  • Vídeo.

De fato, a publicidade gráfica é um tipo de promoção que geralmente tem custos moderados. Além disso, se você puder entrar em contato com o site que hospedará seus banners diretamente, talvez consiga um preço ainda melhor. 

Como alternativa, existem redes de publicidade, como o Google Ads, por exemplo, que permitem criar campanhas publicitárias onde seus banners serão exibidos em todos os sites que utilizam o AdSense. Portanto, você terá uma grande quantidade de tráfego disponível.

2. Publicidade em mídia social

Muito parecido com a publicidade gráfica, também aqui encontramos formatos como banners, imagens ou vídeos que são exibidos nos conteúdos das redes sociais (Facebook, Twitter, Pinterest, Instagram…).

A publicidade paga nas Redes Sociais, principalmente na plataforma do Facebook, é um dos melhores meios de comunicação para divulgar o seu produto ou serviço. 

Os anúncios do Facebook, por exemplo, permitem que você segmente seu público com base em interesses e comportamentos. 

Você poderá distribuir sua mensagem publicitária com base na idade, local, interesses, comportamento, status social, trabalho e muitos outros dados demográficos. De fato, os custos desse tipo de tráfego são muito baixos em comparação com outras fontes de tráfego pagas.

Além do Facebook, você também pode anunciar online em outras redes sociais. 

3. Marketing de mecanismo de busca (SEM)

De fato, o tráfego pago em mecanismo de pesquisa é a forma de tráfego mais confiável e de alta conversão que pode existir no marketing digital. Você não pode ter mais tráfego direcionado do que esta fonte. 

Por exemplo, se você criou uma loja de comércio eletrônico com o Shopify e vende carteiras de couro como produtos e um usuário pesquisa “carteiras de couro” no Google, você pode criar uma campanha publicitária exibindo seu anúncio patrocinando seu produto, neste caso uma carteira de couro. 

Qualquer pessoa que pesquisar essa palavra-chave no Google verá sua carteira de couro antes mesmo dos resultados orgânicos.

Contudo, os custos por clique (CPC) desse tipo de tráfego pago costumam ser altos. O CPC do Google Ads é baseado em um leilão, ou seja, aumenta com base nos concorrentes que estão pagando tráfego por essa mesma palavra-chave. 

Quanto mais um anunciante aumentar o lance mínimo que está disposto a pagar por clique nessa palavra-chave, mais você precisará ser capaz de suportar esse preço para permitir que seu produto também apareça nos resultados patrocinados.

Os motores de busca mais populares que oferecem o serviço de publicidade são o Google e o Bing. Os anúncios podem ser exibidos na parte superior das primeiras posições ou na parte inferior da página. Dependendo da posição e da competição entre as palavras-chave, o preço pode variar.

4. Publicidade nativa

A Publicidade Nativa é um tipo de tráfego pago que nasceu nos últimos anos. Um tráfego de alta conversão, pois se confunde com artigos relacionados nos sites sempre consultados. 

Um anúncio interessante, pois visa confundir o leitor e fazê-lo acreditar que o que ele está lendo nada mais é do que um artigo no próprio site, e não um anúncio real que o levará a comprar um produto.

Na verdade, para aumentar o CTR e a taxa de conversão com esse tipo de tráfego pago, você tem que jogar muito na imagem em evidência e principalmente no título. Portanto, é necessário estudar bem a ciência persuasiva da redação para ter o maior impacto possível no leitor.

5. Publicidade em vídeo

Usar vídeos para promover um produto ou serviço é um dos meios mais poderosos de convencer o usuário a comprar. Como o próprio nome indica, publicidade em vídeo é a publicidade feita por meio de vídeos, em plataformas que exibem vídeos. Um exemplo é o YouTube.

Sempre que um usuário digita uma palavra-chave no Youtube, pode acontecer que, antes de ver o vídeo clicado, apareça o seu vídeo promocional. 

Aqui, também, como no tipo de tráfego pago em mecanismos de pesquisa, você pode “roubar” o tráfego de palavras-chave, exibindo seu anúncio primeiro, em vez do site que sai nos resultados orgânicos. 

Por exemplo, se um usuário pesquisar no YouTube por “revisão de lanterna de led”, você pode criar um vídeo de sua lanterna de led e criar uma campanha com essa palavra-chave para visualizar seu vídeo.

Além do YouTube, existem outras plataformas de vídeo onde você pode promover seus produtos ou serviços através de vídeo a um custo menor. 

6. E-mail marketing

O marketing por e-mail é outra forma poderosa de tráfego pago de alta conversão. O que é mais pessoal do que um e-mail?

Embora agora estejamos acostumados a jogar no lixo e-mails de publicidade, o marketing por e-mail ainda desempenha um papel importante na promoção de produtos ou serviços.

Gostaria de esclarecer que não se trata de um pagamento direto. Ou seja, você não poderá pagar para enviar e-mails pagos para quem quiser. Primeiro crie uma lista de e-mail de destino. É aí que você terá que investir dinheiro. 

Em seguida, você terá que criar campanhas publicitárias para obter leads (contatos de e-mail) de uma das fontes que mencionei anteriormente. 

Depois disso, você terá uma lista de e-mails para os quais poderá enviar e-mails quando quiser e pelo tempo que quiser (desde que o usuário continue interessado e / ou inscrito na sua lista).

É, portanto, uma ferramenta poderosa, pois você terá uma lista e um público que, uma vez adquirido, permanecerá “para sempre” em sua lista de contatos que você poderá usar continuamente.

Agora que você já sabe o que é tráfego pago, vamos ver juntos quais são os benefícios e as desvantagens desse meio. 

Vantagens e desvantagens do tráfego pago

Vantagens do tráfego pago

  • Você pode obter tráfego imediatamente. Em suma, você não precisará esperar que o Google classifique seu site ou para obter 100.000 seguidores no Instagram. Você tem um conteúdo, produto ou serviço para promover? No mesmo dia, você pode criar uma campanha publicitária e enviar tráfego pago instantaneamente.
  • Você pode controlar todos os seus passos. Como existe um sistema de rastreamento, você rapidamente consegue identificar o que funciona.

Desvantagens do tráfego pago

  • O tráfego é pago. Para tornar sua campanha de publicidade lucrativa, você precisará garantir um ROI positivo. Um retorno do investimento positivo que permite que você ganhe mais do que está gastando. Às vezes não é realmente fácil e você precisa ser capaz de sustentar uma perda constante de dinheiro antes de encontrar a campanha vencedora que lhe dará dinheiro.
  • Você sempre terá que ficar de olho no desempenho. De fato, você nunca poderá sair de suas campanhas. Você terá que analisar os relatórios, otimizar os banners ou textos, redirecionar, expandir ou excluir interesses, etc …
  • Saturação do produto ou serviço. Em alguns casos, pode acontecer que, depois de encontrar um produto vencedor, você possa empurrá-lo e ganhá-lo por um determinado período, após um tempo, a campanha pode ter um ROI negativo e você terá que interrompê-la.

Agora que você já sabe tudo sobre o tráfego pago, vou falar de duas formas de tráfego pago muito importantes: Google Ads e o Facebook Ads. Vamos juntos? 

O que são é o Google Ads, afinal?

Como você já deve saber, você tem duas opções para aparecer entre os melhores rankings nos resultados de pesquisa do Google. Quando falamos dos melhores rankings, isso geralmente significa a página 1 dos resultados da pesquisa.

Por um lado, você pode usar a otimização orgânica, ou seja, o SEO (Search Engine Optimization), clássico, que consiste em otimização OnPage e OffPage.

A segunda opção é a publicidade em mecanismos de busca (SEA), com a qual você pode ser colocado nos resultados de pesquisa para palavras-chave muito específicas.

 tráfego pago

2 coisas importantes na hora de criar uma campanha no Google Ads

Você pode criar sua primeira campanha do Google Ads em apenas duas etapas. Vamos ver quais são elas abaixo:

1. Pesquisa de palavras-chave

Antes de começar com uma campanha do Google Ads, você deve realizar uma pesquisa detalhada de palavras-chave. Você pode fazer isso diretamente com o Planejador de Palavras-chave no Google Ads ou, claro, com outra ferramenta, como o Ubersuggest.

Planejador de Palavras-chave do Google 

Na primeira etapa, a pesquisa de palavras-chave serve principalmente para encontrar palavras-chave que são pesquisadas pelo seu grupo-alvo. E para descobrir o quão alto é a concorrência e quão altos são os preços dos cliques.

Claro, você pode repetir a pesquisa de palavras-chave a qualquer momento posteriormente e adicionar ou remover palavras-chave correspondentes. 

Além disso, durante o curso da sua campanha, você verá exatamente como e de que forma os usuários pesquisam suas palavras-chave.

Para acessar o Planejador de Palavras-chave no Google Ads, clique em Planejador de Palavras-chave em Ferramentas e Configurações.

Em seguida clique em “Descubra novas palavras-chave” para primeiro visualizar informações gerais sobre sua palavra-chave.

Então você pode inserir sua palavra-chave principal ali. Como exemplo, vou pegar apenas a palavra-chave “berço”.

Claro, você também pode especificar outras palavras-chave relevantes. Em seguida, clique no botão “Mostrar resultados”. Na visão geral, você receberá os resultados da sua palavra-chave inserida anteriormente. 

Além disso, você verá todas as palavras-chave que também estão relacionadas à sua palavra-chave (por exemplo, palavras-chave de cauda longa, sinônimos, etc.)

À direita, em Otimizar Palavras-chave, você pode refinar sua pesquisa de palavras-chave novamente.

Pessoalmente, recomendo que você não confie apenas no planejador de palavras-chave, mas também sempre use outra ferramenta de palavras-chave em paralelo. 

Infelizmente, o Planejador de Palavras-chave fornece apenas dados imprecisos para alguns fatores, como o volume de pesquisa, e é um pouco difícil de usar para iniciantes.

Ubersuggest

Uma ferramenta de palavras-chave como o Ubersuggest oferece resultados significativamente mais claros à primeira vista, com os quais é cada vez mais fácil trabalhar melhor, especialmente para começar. 

Aqui, também, você verá sua palavra-chave principal e outras palavras-chave relacionadas. Além disso, uma tendência atual, o volume de pesquisa, o preço de cliques (CPC), a concorrência na publicidade paga (PD) e o nível de concorrência na pesquisa orgânica (SD). Quanto maior o valor, mais difícil.

Assim, você já terá uma primeira visão geral das palavras-chave que você pode usar para si mesmo no Google Ads durante a pesquisa de palavras-chave. Quanto mais precisa e longa for a palavra-chave, mais barato será o preço do clique – e menor será o volume de buscas.

2. Criar campanha

Depois de realizar sua pesquisa de palavras-chave, o próximo passo é a criação de campanhas.

Para fazer isso, clique em “Campanha” e depois no ícone “+” e crie uma “Nova Campanha”.

Em seguida, você deve selecionar o projeto alvo da sua campanha. Aqui você tem uma variedade de possibilidades:

  • Vendas: Alcançar vendas ou conversões / Abordar clientes que estão prestes a tomar uma decisão de compra
  • Leads: Usuários relevantes que estão interessados no produto ou serviço passam para uma ação específica (conversão)
  • Acessos ao site: Faça com que clientes em potencial visitem seu site.
  • Disposição do produto e da marca para comprar: Incentive os usuários a se informarem sobre seu produto ou serviço
  • Reconhecimento e alcance da marca: Aumente a conscientização da marca, serviço, produto, empresa
  • Publicidade de aplicativos: Aumente o número de instalações e interações de aplicativos
  • Visitas e promoções a lojas locais: Aumente as visitas a lojas locais

No nosso exemplo anterior, queremos garantir que vendemos nosso produto (berço). Por esse motivo, selecionamos “Vendas” aqui.

Clicar na respectiva meta da campanha abre outra janela na qual agora você pode definir o tipo de campanha.

Em seguida, você será levado para as configurações da campanha. Nas configurações gerais, você insere o nome da sua campanha e seleciona a rede de publicidade apropriada aqui. Para começar a usar o Google Ads, você deve começar primeiro com a rede de pesquisa.

Orientação e grupos-alvo

Nas configurações de segmentação e grupo de destino, você especifica o local e os idiomas nos quais a campanha deve ser exibida. 

Orçamento e oferta

Nas configurações de orçamento e lance, você pode definir seu orçamento diário. Comece aqui com um valor que esteja totalmente dentro do seu orçamento. 

Em lances, você pode definir no que deseja focar. Aqui você pode, por exemplo, escolher entre conversão ou cliques. Queremos otimizar nossa campanha para conversões, porque queremos principalmente gerar visitantes que tomem uma ação correspondente – no nosso caso uma compra.

Você não precisa definir uma meta CPA no início. Você pode lidar com isso se chegar às diferentes estratégias de lances.

Configurar grupos de anúncios

Em “Configurar grupos de anúncios” agora você tem a possibilidade de criar diferentes grupos de palavras-chave. Em outras palavras, se você usar palavras-chave diferentes, também faz sentido atribuí-las a grupos diferentes.

Se você não quiser adicionar suas palavras-chave manualmente, você pode usar uma URL ou um produto ou serviço para gerar uma variedade de palavras-chave interessantes pelo Google Ads.

Por exemplo, eu especifiquei “berço” como um produto. Em seguida, você receberá várias palavras-chave relevantes, que você deve sempre revisar ou verificar novamente. 

Por exemplo, você também pode especificar a URL de seus concorrentes aqui e o Ads também lhe dará todas as palavras-chave relevantes para a URL. Ou você pode simplesmente inserir suas palavras-chave no campo, que você determinou anteriormente por meio de pesquisa de palavras-chave.

Crie um anúncio

Em “Criar anúncio”, agora você deve criar os textos do Google Ads, que também serão exibidos nas páginas de resultados da pesquisa. Você também pode criar vários ou mais anúncios para um grupo de anúncios usando o botão “Criar próximo anúncio” abaixo.

Com o Ads, há um número limitado de palavras para cada linha. Então você tem que tentar comunicar as informações mais importantes de forma breve e concisa dentro do anúncio do Google.

Verificação

Em seguida, você verá um resumo da sua campanha do Google Ads novamente. Tais como, as datas de início e término, o orçamento da campanha ou a estratégia de lances. Sua campanha será publicada clicando no botão “Publicar”.

Pronto! Sua primeira campanha foi criada!

Rastreamento de Conversão do Google Ads

Para que agora você também possa acompanhar se e quantas conversões você alcançou através do anúncio do Google (vendas), agora você deve integrar o chamado pixel de conversão em seu site.

Clique aqui no ícone “+” para criar uma nova ação de conversão.

Crie uma ação

No nosso exemplo, queremos rastrear a conversão em um site, por isso selecionamos “Site” na visualização a seguir.

Na próxima etapa, você agora define as configurações para rastreamento de conversões. Em “Categoria”, você precisa especificar qual ação deseja rastrear. No nosso exemplo, isso seria a venda de um produto.

Além disso, você atribui um nome de conversão aqui, por exemplo, “Página de vendas”. Em “Valor” você pode definir um valor para a conversão. Se você ganhar 15 reais por venda, colocará “15” nessa opcão. Isso permite que você veja diretamente nas estatísticas quanto de receita você ganhou com esta campanha.

Em “Método de contagem”, você pode especificar como as conversões devem ser contadas. Para a venda, você deve selecionar “Tudo” aqui para que cada compra seja rastreada.

RGPD e Google Ads

Como você já sabe com certeza e já leu várias vezes, o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) está na boca de todos. Para você, isso significa que você deve, é claro, considerar as leis e diretrizes atuais para rastrear sua campanha do Google Ads.

O que quero dizer para você? Em princípio, você só pode rastrear se os visitantes tiverem dado seu consentimento antecipadamente por meio de um banner de cookie correspondente. Para isso, você pode, por exemplo, usar um plug-in de cookies.

Nesse caso, basta criar um cookie correspondente para o script do Google Ads e inserir o código aqui. Você também pode inserir o script de evento na página correspondente (por exemplo, a página de vendas), para que o evento não seja realmente acionado até que alguém tenha consentido com os cookies.

Conclusão sobre o Google Ads

O Google Ads é uma maneira fantástica de promover produtos ou serviços de forma rápida e fácil nos resultados de pesquisa do Google. 

De fato, o Google Ads realmente oferece inúmeras e avançadas funções na criação de campanhas, que deixei de fora aqui. Então, se você decidir usar continuamente o Google Ads, recomendo que você lide com publicidade do Google por um longo período de tempo. 

Comece com pouco orçamento primeiro e depois avance lentamente. Aqui, também, o mesmo se aplica ao Facebook Ads – você tem que testar, testar, testar! É importante que você aprenda como o Google Ads funciona, caso contrário, você vai gastar muito dinheiro.

Agora que vimos como funciona o Google Ads, vamos ver outra fonte de tráfego pago muito interessante: o Facebook Ads.

O que é o Facebook Ads?

O termo “Facebook Ads” refere-se à agência de publicidade disponibilizada aos anunciantes pela rede social Facebook. Exatamente como o que o Ads é para o Google.

Os anúncios do Facebook são, portanto, anúncios veiculados no Facebook e em sites (e aplicativos) parceiros. 

Isso permite que os anunciantes se beneficiem da força impressionante da rede social mais popular do mundo, à qual os usuários se conectam em massa, a qualquer hora do dia (ao acordar, no transporte, no trabalho, em frente à TV…) e de qualquer tipo de meio (computador, smartphone ou tablet).

A isso devem ser adicionadas as vantagens desta agência de publicidade: um sistema que promove a relevância e a qualidade dos anúncios e a segmentação extremamente precisa das pessoas que os anunciantes desejam alcançar.

Chegado em 2007, o Facebook Ads permitiu que a plataforma (que é gratuita para se registrar e usar) se tornasse lucrativa.

Por que lançar uma campanha publicitária no Facebook?

Porque é o método mais eficaz para alcançar um grande público na principal rede social do mundo. Como você provavelmente sabe: o escopo orgânico das publicações está se tornando cada vez menor. Ou seja, cada vez menos pessoas são atingidas por uma publicação.

Dessa forma, usar o Facebook Ads é uma oportunidade perfeita para quem deseja alcançar um público maior. 

Por esse motivo, muitos profissionais de marketing preferem recorrer à aquisição paga, que é cada vez mais eficiente devido às mudanças feitas pelo Facebook em seu mecanismo de publicidade. 

Desde que você saiba usar a segmentação, a criação de público personalizado e os diferentes tipos de campanhas com sabedoria, é possível obter uma receita substancial com isso.

E funciona: em 2017, 5 milhões de empresas lançaram pelo menos uma campanha no Facebook Ads, um número que quase dobrou em um ano (foram 3 milhões em 2016). 

Melhores práticas para otimizar seus anúncios no Facebook

A simplicidade de uso do Facebook Ads permite que todos lancem sua própria campanha muito rapidamente e sem ter que depender de um orçamento enorme. Mas não se diz que a lucratividade estará lá. 

Para ajudá-lo a olhar além de apenas lançar um anúncio, aqui estão algumas práticas recomendadas para aplicar sem moderação para impulsionar suas campanhas no Facebook Ads.

Definindo claramente seu objetivo

Qualquer campanha de anúncios do Facebook começa com uma segmentação nítida. Comece definindo claramente quem você deseja alcançar, com base no maior número possível de critérios.

Em seguida, segmente suas campanhas. Este é um passo essencial que leva você a enviar mensagens personalizadas para as diferentes categorias de públicos-alvo. 

Se você enviar o mesmo anúncio para todos os seus segmentos, poderá oferecer uma mensagem impessoal que não afetará ninguém ou que lhe enviará clientes potenciais não qualificados. 

Embora a publicidade direcionada, adaptada a um segmento específico, provavelmente gerará menos visitantes, eles serão muito mais qualificados, provavelmente se converterão em clientes com menos esforço… e a um custo menor.

Construa constantemente sua publicidade

Os anúncios do Facebook têm aproximadamente a mesma forma. Eles são compostos por um gancho (o texto da apresentação localizado acima da imagem ou vídeo), um criativo (o visual), um título (que aparece abaixo do criativo), uma descrição (sob o título), um link (sob a descrição) e um CTA (à direita do link).

Certifique-se de que todos esses elementos estejam presentes e otimizados.

Colocando imagens nos anúncios

Criar publicidade visual é essencial. O conteúdo visual se beneficia de um melhor processamento pelo algoritmo do Facebook, o que significa que ele provavelmente estará melhor posicionado no feed de notícias do usuário. 

Mas, acima de tudo, uma imagem é mais fácil de memorizar – e compartilhar – do que conteúdo editorial. Isso porque olhar para algo visual não leva tempo, ler um texto pode ser demorado.

Exagerando um pouco, você quase poderia dizer: não importa a qualidade da sua publicidade, desde que haja uma imagem atraente para capturar a atenção dos usuários.

Escolha o modelo de cobrança certo

O Facebook permite que você escolha como deseja que seus anúncios sejam cobrados: em CPC (custo por clique) ou CPM (custo por mil, ou impressões). 

No primeiro caso, você paga toda vez que um internauta clica no seu anúncio: é pagamento de desempenho. No segundo caso, você paga quando seu anúncio foi exibido mil vezes: é pay-per-view. O primeiro é mais barato que o segundo.

Escolha o modelo que melhor se adapte às suas necessidades, visando à lucratividade. Digamos que você tenha 50 reais para gastar em seus anúncios no Facebook, com um CPC de 5 reais e um CPM de 10 reais. 

Dessa forma, seu orçamento permite que você alcance 10 cliques ou 5.000 impressões. Portanto, uma campanha de custo por milhão será interessante se sua taxa de cliques estiver acima de um determinado limite, neste caso 0,2% (cliques permitidos pelo orçamento dividido por impressões autorizadas).

Se o seu objetivo é maximizar sua taxa de cliques, o CPM será mais relevante.

Otimizando a pontuação de relevância

Assim como o Google, o Facebook gosta de anúncios que agregam valor aos seus usuários. Mesmo que isso signifique perturbá-los em seu tempo diário de navegação, os anúncios precisam atender às suas necessidades. 

Para isso, a rede implementou uma “pontuação de relevância” semelhante ao AdRank que pode ser encontrada no Ads, e que afeta como o Facebook lidará com seus anúncios em termos de visibilidade.

A ideia é, portanto, ter o maior índice de relevância possível. Assim, criar campanhas de Facebook Ads bem direcionadas o suficiente para deixar os usuários satisfeitos e clicarem, consequentemente, em seus links.

Oferecendo uma proposta de valor verdadeiro

A proposta de valor dos seus anúncios no Facebook é o que faz toda a diferença entre um anúncio no qual você clica e um anúncio que você não clica. Os usuários não são facilmente enganados nem ingênuos. 

Garantir que você seja “o melhor provedor” para um serviço específico não será suficiente para convencer. Por outro lado, uma oferta promocional, um voucher de desconto, um argumento quantificado, uma proposta de demonstração – todos esses são incentivos que podem desafiar suas metas.

Mas não se esqueça de adicionar um call to action relevante, caso contrário, todos esses esforços terão sido inúteis.

Escolha bons locais publicitários 

O Facebook oferece a capacidade de escolher onde seus anúncios aparecerão nas páginas dos usuários.

Na coluna da direita

É o formato tradicional por excelência, à direita do feed de notícias. Esta posição oferece CPCs mais vantajosos. Uma proposta de valor explícita, um CTA bem posicionado, conteúdo relevante e um visual atrativo garantem a eficácia das campanhas de Facebook Ads localizadas dessa forma.

No feed de notícias

Este é o local mais eficiente, porque os anúncios são exibidos diretamente no feed de notícias dos usuários e capturam totalmente sua atenção. Por serem semelhantes as publicações padrão, eles tendem a ser percebidos de uma maneira menos intrusiva – o que tende a aumentar a taxa potencial de cliques.

Em Artigos Instantâneos

Os anúncios são exibidos em artigos instantâneos no celular (aplicativo Facebook e Messenger).

Em vídeos incorporados ou sugeridos

Os anúncios do Facebook em formato de vídeo podem aparecer em dois lugares: dentro de vídeos ao vivo e sob demanda, ou entre vídeos sugeridos pela rede.

No marketplace

Particularmente útil para sites de comerciantes, os anúncios são exibidos no marketplace do Facebook (na página inicial do aplicativo móvel ou ao navegar).

Além disso, seus anúncios do Facebook também podem aparecer em outro lugar que não no Facebook. Isso é chamado de colocação de publicidade. 

Por meio dessa opção, eles são exibidos no Instagram (no feed de notícias ou no Stories), no Messenger (na guia inicial ou como mensagens patrocinadas) ou em muitos sites e aplicativos móveis da Audience Network.

Observe que o Facebook marca a opção “colocação automática” por padrão. Mas você mesmo pode selecionar seus investimentos prioritários, em particular para excluir o que não funciona (após vários dias de campanha). 

Um exemplo: como a Audience Network é a colocação que oferece o CPC mais baixo, o Facebook tende a torná-la o meio de distribuição majoritário. 

O problema é que esse investimento muitas vezes não é lucrativo. Portanto, você pode optar por eliminá-lo após alguns testes, se não lhe convier.

 tráfego pago

Use públicos personalizadas

Públicos personalizados permitem que você segmente pessoas que conhecem (ou já estão em contato com) sua empresa na rede. 

A partir de diferentes fontes (suas próprias listas de clientes, engajamento, tráfego em seu site, aplicativo móvel do Facebook…), você cria seu público personalizado que pode segmentar muito especificamente com seus anúncios do Facebook.

Quanto melhor seus anúncios forem segmentados, maior a probabilidade de você alcançar as pessoas certas, e maior a probabilidade de clicarem em seus links. Isso aumentará suas taxas de cliques, portanto, a relevância de seus anúncios, etc.

A partir de um público personalizado, também é possível criar um público semelhante, ou seja, um público que se pareça com pessoas que já estão em contato com sua empresa na rede. 

Essa opção garante uma segmentação ainda mais efetiva. Com base em diversos critérios, você envia suas mensagens ou ofertas para usuários que, por terem um perfil próximo aos seus clientes existentes (por exemplo), poderiam ser convertidos com mais facilidade.

Escolha seu tipo de publicidade

Um dos pontos fortes do Facebook Ads é a variedade de formatos de publicação oferecidos. Tecnicamente, você pode fazer praticamente o que quiser. Alguns dos exemplos mais relevantes:

  • Publicações patrocinadas. Essas são publicações orgânicas existentes que são destacadas através da publicidade.
  • Anúncios em formato de foto (ideal para seduzir usuários com visuais atraentes).
  • Anúncios em formato de vídeo. De fato, esses atraem cada vez mais os usuários.
  • Os anúncios multiprodutos, na forma de carrossel (para destacar vários produtos, serviços ou publicações no mesmo anúncio, com a possibilidade de o usuário da Internet clicar em links individuais).
  • Anúncios locais direcionados (para direcionar seus clientes potenciais para sua loja física em uma determinada área).
  • Ofertas (publicidade baseada em ofertas promocionais pontuais, válidas apenas no Facebook).
  • Anúncios de remarketing (que “seguem” pessoas identificadas em sua jornada na web). 
  • Publicidade de eventos (para promover um evento específico).
  • Anúncios dinâmicos (inspirados no Google Shopping, eles permitem que você exiba o produto/serviço mais relevante, dependendo dos usuários da Internet que os assistirem).
  • Anúncios de aplicativos móveis. Esses encaminham o usuário diretamente para a loja onde ele pode baixar o aplicativo.

Observe que cada um desses formatos se beneficia dos benefícios da segmentação por públicos personalizados.

Medindo o desempenho das campanhas do Facebook ads

Criar anúncios no Facebook é uma coisa. Mas este é apenas um ponto de partida. A partir daí, você pode (e deve) medir a eficácia de suas campanhas publicitárias para garantir que elas atinjam seus objetivos, mantendo-se dentro do quadro orçamentário definido, portanto, com um retorno positivo sobre o investimento. 

Você pode medir a taxa de cliques, a taxa de conversão, o custo por conversão, etc.

Medir o desempenho dos seus anúncios permite que você os modifique instantaneamente para serem mais eficazes. 

Duas ferramentas são disponibilizadas pelo Facebook nesse sentido. O Gerenciador de Anúncios (também disponível em uma versão de aplicativo móvel) e o Gerenciador de Negócios.

Seja direto

Em suma, nunca se esqueça de que você está em uma rede social. Dessa forma, o tempo de atenção dos usuários é muito pouco. Basta dar uma olhada para que um usuário da Internet tenha uma ideia do valor da sua publicidade. 

Portanto, não deixe de ir direto ao ponto: escreva uma mensagem breve, explícita e relevante. E pense no fato de que a maioria dos usuários visita o Facebook a partir de um dispositivo móvel. Você deve, portanto, ter certeza de que a mensagem será exibida corretamente e na íntegra.

Cuide das suas páginas de destino

O clique do usuário em um anúncio é apenas uma etapa. Você pode pensar que o mais difícil é feito, mas isso não é verdade: o resto da jornada de compra deve estar de acordo com a proposta de valor. 

Imagine uma propaganda de shampoo que remeteria o usuário a uma página dedicada a TVs de tela plana! Por esse motivo, não se esqueça de cuidar das suas landing pages para que os internautas que clicaram em seus anúncios encontrem o que você oferece.

Pronto! Você está pronto para lançar sua campanha de anúncios no Facebook!

 tráfego pago

Conclusão

tráfego pago é uma forma muito interessante de investir em seu negócio. Com essas duas estratégias que apresentei nesse artigo, tenho certeza que você terá sucesso!

Gostou de saber mais sobre o tráfego pago? Então não deixe de acompanhar os demais artigos do blog, tenho muitas outras novidades para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *